24 de julho de 2010

Sobre os frutos...


“Assim toda a árvore boa produz bons frutos, e toda árvore má produz frutos maus. Não pode a árvore boa dar maus frutos, nem a árvore má dar bons frutos.” Mateus 7.17, 18.
A árvore boa se conhece pelos frutos. A árvore boa produz frutos bons e a arvore ruim produz frutos ruins. Simples assim! Infelizmente não tão simples.
Por muito tempo baseava a maneira como via os crentes dentro da igreja dessa maneira.Árvore boa é aquela que produz bons frutos, ou seja crente verdadeiro é aquele cuja as obras são “maneiras”, são bonitas. Crentes não tão bons assim, não tem obras tão legais.
Talvez não só eu mas muitas pessoas lidam com esse tipo de visão, mas uma visão puramente exterior de toda a situação. Olhamos os frutos bonitos, mas não nos preocupamos se eles são frutos comestíveis. São bonitos, mas talvez sejam azedos, ruins, não tão desenvolvidos assim, podres por dentro, com bichos. Enfim, o fruto bom não é aquele lindo, mas é aquele que é comestível. Pode ser não tão apreciado, mas ele é comestível, ele alimenta, é gostoso.
Mas então o que seria um fruto comestível?
Não adianta apenas proclamarmos o nome de Cristo, se não vivemos o que falamos. Não adianta fazer tantas coisas se não vivemos o Evangelho do amor, que deveria ser a nossa motivação em todo fazer. Uma palavra sem uma vida com Cristo, sem uma caminhar com Cristo,sem uma busca por Cristo de nada adianta. É só uma palavra, que entra e sai facilmente pelos ouvidos. Ao falar de algo que não vivemos, não temos nenhuma autoridade. Nossas motivações para falarmos as pessoas, se tornam simplesmente a glória, a vaidade, a exaltação do meu conhecimento, que são os bichos no fruto que muitas vezes não vemos.  Frutos bonitos, nem sempre são frutos bons. Será que as pessoas vem até você para comer dos frutos comestíveis da sua vida?
Pensemos nisso....

No Amor de Cristo, e no computador da minha mãe!
Douglas Lopes

21 de julho de 2010

No Centro da tua vontade

Saudações Galera do PJ, estou aqui pra dar um breve testemunho.
Tenho vivido uma fase muito difícil na minha vida. Creio que muitos adolescentes já passaram por isso e muitos ainda vão passar. Nesses últimos meses tenho ganhado algumas responsabilidades extras em minha vida secular e ministerial, Glória a Deus por isso!
Desde o ano passado eu venho pensando em minha vida profissional, em como vou formar uma família e etc... Aquelas coisas que todos sonhamos um dia: ser bem sucedidos profissionalmente e formar uma família abençoada na presença do Senhor. Vou resumir bastante porque é muita coisa =)
Sempre dizia uma coisa "eu nunca vou seguir carreira militar" por "N" motivos, e por não gostar muito do modo de treinamento deles (pra quem conhece pouco sabe o que estou falando) e eu não me via passando por isso nunca. A cada dia Deus tem me ensinado tantas coisas. Sabe aquela vontade que Deus tem pra nós? É perfeita, e melhor que ela não tem!  Tenho aprendido isso constantemente.
Aquilo que eu disse um dia (de nunca seguir carreira militar) mudou hoje. Meus tios me incentivaram a fazer um concurso da marinha, e eu fiz, mas sem nenhuma vontade de passar porque não era minha vontade. Enfim, passei na primeira etapa de classificação no concurso de fuzileiro naval da marinha e se for da vontade de Deus passarei nas outras etapas. Deus tem me ensinado que a melhor coisa que temos a fazer é buscá-Lo, e seguir Suas vontades. Mesmo que a vontade dEle não seja a nossa, não há coisa melhor do que estar no centro da vontade de Deus, acredite!
Escolha a vontade de Deus porque nela não haverá arrependimento.
Desejo a todos uma vida abençoada, e que todos vocês possam buscar seguir a vontade de Deus e enfim estar no centro da vontade dEle.
Um grande abraço,
Rafael Braga.

14 de julho de 2010

Isaías 1

“O boi conhece o seu possuidor, e o jumento, a manjedoura do seu dono, mas Israel não tem conhecimento, o meu povo não entende” Isaías 1.3
“De que serve a multidão de vossos sacrifícios, diz o Senhor? Já estou farto dos holocaustos de carneiros e da gordura de animais nédios; e não folgo com o sangue de bezerros nem de cordeiros nem de bodes.” Isaias 1.11
“As vossas Festas da Lua Nova, e as vossas solenidades, as aborrece a minha alma; já me são pesadas; já estou cansado de as sofrer” Isaías 1.14
“Lavai-vos, purificai-vos, tirai a maldade de vossos atos de diante dos meus olhos e cessai de fazer mal; Aprendei a fazer o bem, praticai o que é reto, ajudai o oprimido, fazei justiça ao órfão, tratai da causa das viúvas. Vinde então, e argui-me, diz o Senhor; ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve, ainda que sejam vermelhos como o carmesim se tornarão brancos como a branca lã” Isaías 16-18
“Como se fez prostituta a cidade fiel! Ela que estava cheia de retidão! A justiça habitava nela, mas agora homicidas.” Isaias 1.21
“Os teus príncipes são rebeldes e companheiros de ladrões; cada um deles ama o suborno e corre após salários; não fazem justiça ao órfão, e não chega perante eles a causa das viúvas.” Isaías 1.23
Ontem, comecei a ler o livro de Isaias(de novo, mas nunca acabei =/), e no primeiro capítulo, li de uma maneira enxergando coisas que não tinha enxergado antes. Percebi que a descrição de Israel nessa época se adéqua perfeitamente a igreja hoje. Leia você mesmo e perceba isso. Ali em cima separei os versículos que considerei mais expressivos nessa comparação. Vivemos em uma verdadeira Israel.
Vivemos no meio de um povo que não tem conhecimento de Deus(Is 1.3), e que não tem vivido em intimidade com Ele, que é o que Deus mais deseja de nós. Um povo religioso(Is 1.11 s 1.14) que tem honrado Deus com os lábios apenas e não com o coração. Que tenta honrar a Deus com atitudes externas de humildade e submissão e com palavras lisonjeiras pra Deus, quando na verdade seu coração tem passado longe disso tudo. E assim como Israel se prostituia com deuses estranhos( Is 1.21), nos prostituimos também com deuses estranhos. Coisas e pessoas tem ocupado o nosso coração, no lugar de Deus, e com esses bezerros de ouro nos prostituimos. E apesar de antes a justiça habitar em nosso meio, agora habitam homicidas, que com seu Evangelho mentiroso não matam o corpo, mais acabam direcionando para a morte eterna. E a cada dia o que vemos é uma busca cada vez mais descarada ao dinheiro no meio de nossas igrejas(Is 1.23) enquanto o os órfãos e as viúvas tem sido esquecidos e o amor pelos perdidos e por aqueles que são esquecidos tem se esfriado.
Olha ao seu redor! É isso que temos enxergado ao nosso redor! Antes de alcançarmos o mundo a casa de Israel precisa ser alcançada. Nossa igreja também faz parte do nosso campo missionário, afinal de contas nem todos os que falam Senhor, Senhor  herdarão os reinos dos céus. Precisamos sair das quatro paredes definitivamente, mas não esquecer que dentro das mesmas quatro paredes existem perdidos. E não só nas quatro paredes da sua igreja, mas na chamada Igreja do Senhor.
Ore para que Deus levante uma geração disposta a pregar para a própria igreja, e para o mundo! Ore para que Deus envie ceifeiros, porque grande é a ceara!
No amor do Senhor
Douglas Lopes

11 de julho de 2010

Sobrevivi

Fala aí pessoal que acompanha o Blog.
Hoje eu vou colocar um post que eu li no blog da Pastora Fernanda Brum. O post é um pouco longo, mas vale cada palavra( falando sério...vale cada palavra). Se vocês quiserem ler mais posts da Pastora Fernanda Brum, entrem em www.profetizandoasnacoes.com.br
Vale a pena ler e refletir
Abraço para todos.
Douglas Lopes
__________________________________________________________
Nesses dias bateu à porta do meu coração uma necessidade avassaladora de cumprir o chamado para o qual definitivamente eu nasci. Toda maturidade é bem vinda principalmente a que parece me chegar aos 33 anos. Meu chamado para a Capelania da Misericórdia e da Justiça tem me consumido. A dificuldade em mobilizar de maneira útil o braço da Igreja em favor dos menos favorecidos, me consome.Tenho conseguido essa adesão aos poucos como em um trabalho de conta-gotas interminável. Eu sigo com meu coração pegando fogo desde Portas Abertas e A Igreja Perseguida, essa que jamais abandonarei e pela qual continuarei gastando a minha voz para gritar: “Orem! Socorram a Igreja Perseguida!!!
Fui ignorada e engavetada nesse discurso, até que os jovens começaram a dançar minhas canções na Igreja e a mostrar aos lideres que entendiam de intercessão e missiologia muito mais que os Teólogos engravatados. O povo veio, gritou: “Eu Vou!” Lotou o Mauá de São Gonçalo. Sessenta mil pessoas vieram e gravaram o Profetizando as Nações. DVD tachado de chato e longo para os desligados do mundo espiritual, assim como o CD, que foi incompreendido e taxado de sem expressão de vendas, até que conquistou seu platina duplo e credibilidade junto aos órgãos missionários.
A massa veio, gravou, cantou, e hoje, muitos dos que estavam na gravação, estão debaixo de escombros da lama e das avalanches de barro, água, lixo e descaso público. Meus guerreiros de São Gonçalo foram soterrados. Meus amigos que gritaram alto comigo para o planeta ouvir, foram dizimados. Estão sem casa, sem amor, sem ajuda. Muitos guerreiros e mártires se organizaram abrindo as portas das Igrejas próximas ao morro do Bumba. Só restou a Igreja. O Estado não acomoda ninguém em lugar nenhum. Soube da história do Pr. Bruno que desde o dia 5 de Abril está sem voltar em casa cuidando de gente, amando os que choram… Como ele, muitos estão amando… apenas amando… porque é TUDO o que eles tem para dar.
Eu sobrevivo ao Rio de Janeiro, aos ataques e aos atentados que já sofri. Aos tiros que levei na Av. Automóvel Clube, via conhecida como perigosíssima no Rio de Janeiro.
Eu era pastora no bairro de Vicente de Carvalho perto do Morro do Juramento e voltava para casa quando coloquei a mão no teto do carro e disse: “Mil cairão ao meu lado, dez mil à minha direita, mas eu não serei atingida.” Fizemos a curva para o bairro de Inhaúma e três rapazes invadiam a pista e pulavam para calçada com se brincassem de atravessar a rua. Na nossa vez, um deles também pulou, eu achei que era brincadeira. Esse mesmo, puxou uma pistola ponto 40 e disparou 4 tiros em nosso pára-brisa. Isaac tinha 9 meses e estava na cadeirinha atrás com a Mema (babá). Emerson tentou desviar e eu vi quando as balas eram cuspidas da pistola e sumiam incandescentes diante dos meu olhos como se apagassem chegando ao vidro da frente. Batemos na mureta da linha do metrô e, como por reflexo, Emerson lançou o carro em cima do bandido. Ele correu para a calçada e continuou atirando. O cheiro de pólvora era forte dentro do carro e uma fumaça nos inebriou. “Estamos mortos”! Pensei. O bandido continuava atirando e dessa vez nos carros de traz. Matou o motorista da Kombi que vinha a seguir, atirou em um Honda Civic, em outra família. Eu gritei: “Ele não quer o carro! Emerson, corre!!! ”
O Emerson saiu em alta velocidade enquanto olhávamos se estávamos sangrando. Chegamos a uma patrulha na linha amarela e relatamos o acontecido. O policial estava sozinho e chamou outros pelo rádio. Heroicamente saiu ao encontro dos três que atiravam sem parar em quem passasse . Eles tinham ordem do comando para barbarizar os civis, pois um deles havia sido morto por policiais no dia anterior (viu ? eles pressionam o Estado, não que eu concorde, longe de mim!).
Seguimos para casa em choque. Eu pensava: “É assim que se morre. Devemos estar estirados no chão mas em nossas mentes achamos que estamos vivos. Onde estarão os anjos?” Seguimos para o condomínio onde morávamos. Saímos do carro e procurávamos os buracos de bala.Tiramos as roupas e fraldas do bebê Isaac de 9 meses. O viramos de cabeça para baixo. Olhamos uns aos outros milimétricamente à procura de furos de bala. Estávamos livres. Procuramos no carro os furos, não havia nenhum. Enfim eu disse: “Sobrevivi…”
Não era a primeira experiência.Vou contar outras a vocês, como a de quando chegávamos em casa na Penha e fomos rendidos por 4 homens com metralhadoras e pistolas. Metralhadoras das chamadas Macaquinhas, pequenas e fáceis de levar em carro de passeio.
Passaram a pistola pela cara do Emerson, desceram por todo o corpo dele, passavam o cano da pistola nele para revistá-lo e levarem nosso carro. Levaram tudo. Depois devolveram. Conversei muito ao telefone com eles, preguei para todos. Descobri que eram desviados.
Tenho inúmeras experiências de sobrevivência no Rio, em Belém, em vários lugares. Mas tenho também em minha Igreja e em meu Estado famílias enlutadas.Casos de homens de Deus e jovens santos, cheios de Deus que foram executados.Ou soterrados.
Além da violência, e a falta de vontade política, somos conformados dizendo: “O Mundo jaz no maligno!! Aleluia!! Temos que morrer mesmo assim, soterrados, assassinados, torturados porque Jesus vai voltar….” Que mente derradeira a da Igreja que assim pensa.
O Espírito Santo está sobre a Terra e habita a Igreja!!! O mesmo mundo que jaz no maligno tem tachas de homicídios bem menores na França ou na Bélgica, onde o povo vai pra rua e grita!!! Ou será que nós crentes estamos tão misturados com a inércia e a ignorância que não temos o que pensar ? O que dizer? Ou não podemos protestar porque na ultima eleição recebemos dentaduras ou recursos para trazermos nossos cantores evangélicos em nossas Igrejas?
Ou será que isso não é problema nosso se as crianças de nossa comunidade estão fazendo fila para entrar para o trafico, enquanto não temos trabalhos sociais? “Ah! é verdade…deixemos isso para o Afro Reague, que aliás, pode nos dar aulas de cidadania.”
Será que vamos seguir votando sistematicamente em candidatos evangélicos sem cobrá-los de suas responsabilidades? Sem pesquisarmos no Google quantos processos ou quantas leis eles aprovaram e fizeram valer?
Eu estou exausta de fazer campanhas e depois delas ser ignorada e muitas vezes nem atendida pelos nossos “santos evangélicos” elegíveis. São poucos os parceiros que eu tenho e não preciso citá-los porque os que fazem valer o cargo que ocupam, vocês já conhecem e não precisam se defender. Suas obras falam por si.
E quanto a nós? O grupo Rebanhão cantava “Quantos Chico Mendes ainda vão morrer?” Essa nossa geração perguntaria: “ Quem foi Chico Mendes?”
Nossos Lideres fazem pressão politica para que a placa que indica como chegar na igreja seja colocada na rua apontando a direção, ou para que um monumento à Bíblia seja erguido na praça da cidade. NINGUEM LEMBRA DOS ÓRFÃOS!!! As viúvas apodrecem nos barracos, com fome, ou morando num puxadinho de favor.Será que os nossos representantes vão seguir firmes? Ou vão sumir das Igrejas por mais 4 anos?
Por nossa vez temos que deixar de desrespeitar os eleitos, vaiá-los ou ridicularizá-los. Não é essa a educação que Cristo nos sugere. Antes, ao invés de vaiá-los ou xingá-los, deveríamos responder nas urnas.
Pense! Ouça o Espírito Santo, estude, preste à atenção, não se deixe manobrar. Não seja ingênuo.Vote, grite! Acorde! Seja! Reclame! Não se conforme! Precisamos de respostas para os nossos irmãos vitimas das chuvas: Quando? Como?
Vamos fazer como o bom samaritano que enfiou a mão no bolso. Eu estou disposta. E você? Se o Estado quiser, fará. Mas precisa ser antes da Copa, porque se esperarmos a Copa, tudo virará grama, cerveja e Madona. E a bola? A bola será a cabeça das crianças do morro do Bumba nos pés do Estado.
Com Temor em Cristo
Fernanda Brum

5 de julho de 2010

Observadores

Outro dia eu estava na igreja... no meio do louvor num culto, e parei pra reparar em algumas pessoas. Foi uma coisa meio estranha, porque enquanto uma estava chorando e dizendo palavras a Deus, a outra pessoa estava apenas cantando a musica. Incrível como a primeira coisa que vem na nossa mente é: A primeira pessoa esta certa e a segunda errada! Mas não é bem assim... Não podemos julgar a entrega e adoração de uma pessoa por sua atitude diante de um culto.
Mas ao mesmo tempo que essas coisas me vinham a cabeca , eu me toquei: O que eu estava fazendo? Observando as coisas ao meu redor, ao invés de prestar o meu culto a Deus! Acredito que muitos de nos já tenhamos feito isso alguma vez na vida... E não só no louvor, como também na hora da Palavra e ate mesmo fora da igreja.
Muitas vezes prestamos atenção na intimidade dos outros com Deus e nos esquecemos da NOSSA! Vemos aquele cantor que ministra tão bem... que parece ter uma vida em Deus, ou aquele pastor que fala de uma forma tão intensa... Aquela pessoa que conta algo que Deus fez a ela, conta das experiências com Deus no secreto... Queremos ser como eles, mas perdemos tanto tempo observando que esquecemos do mais importante, Deus!
Então pense nisso se você já se pegou nessa também! Quando você se perceber olhando pros lados, distraído, prestando atenção no que não deveria, lembre que a sua intimidade e mais importante, que a relação você e Deus vale muito mais!
Nao vou me estender muito... reflitam nesse assunto! Um beijo a todos e até a próxima.
Jullie Nogueira
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

DESIGN BY:


Blog desenvolvido por Isabela Cacique.